Serviços TCP no Silverlight


A cada dia que o passa, o Silverlight tem ganhado cada vez mais espaço nos sites que são construídos ao redor do mundo. Motivo para a Microsoft evoluir essa tecnologia rapidamente, adicionando cada vez mais funcionalidades dentro dele.

Os adeptos ao Silverlight não se limitam à aqueles construtores de sites institucionais, que na maioria das vezes, são criados para campanhas publicitárias e com poucas funcionalidades dinâmicas. Ele também está atingindo as empresas desenvolvem os softwares para uso interno, justamente porque a Microsoft incorpora nele, funcionalidades que permitem o uso em aplicações do tipo LOB (Line of Business).

Uma das novidades mais recentes, que afeta principalmente o uso de aplicações Silverlight em intranets, é que a partir da versão 4.0, teremos a possibilidade de referenciar e consumir serviços construídos em WCF, através do protocolo TCP (net.tcp).

Como disse no parágrafo acima, esse tipo de protocolo é útil em intranets, já que não haverá restrições de eventuais firewalls, e mesmo que tenha, tudo é negociável. É importante dizer, que as aplicações Silverlight estão condicionadas à utilizarem o seguinte intervalo de portas: 4502 à 4534, ou seja, somente conseguirá acessar um serviço WCF exposto através de uma delas.

Uma das principais características do protocolo TCP, é que possibilita a comunicação duplex, ou seja, permite que o serviço se comunique com o cliente, através de callbacks. Isso já era possível no Silverlight, através do Polling Duplex, que nada mais é do que uma especialização do protocolo BasicHttpBinding, mas que simula callbacks em cima do protocolo HTTP.

Outra grande vantagem do protocolo TCP quando comparado com o HTTP, é a performance, e mesmo em aplicações Silverlight, essa vantagem é bastante significativa, e um dos grande responsáveis por isso, é a codificação binária. Neste momento, para usar este protocolo, você deve abrir mão da segurança em nível de transporte, que não é suportado.

Os tipos necessários para acessar um serviço WCF através de TCP, estão contidos no assembly System.ServiceModel.NetTcp.dll, localizado em %Program Files%Microsoft SDKsSilverlightv4.0LibrariesClient. Mas isso não quer dizer que você terá uma classe chamada NetTcpBinding, assim como há no .NET Full. O Silverlight utiliza um CustomBinding, composto com os seguintes bindings elements: BinaryMessageEncodingBindingElement e TcpTransportBindingElement. Ao referenciar o serviço TCP em uma aplicação Silverlight 4.0, a IDE do Visual Studio 2010 já faz as seguintes entradas no respectivo arquivo de configuração:

<configuration>
    <system.serviceModel>
        <bindings>
            <customBinding>
                <binding name=”NetTcpBinding_IContrato”>
                    <binaryMessageEncoding />
                    <tcpTransport
                        maxReceivedMessageSize=”2147483647″
                        maxBufferSize=”2147483647″ />
                </binding>
            </customBinding>
        </bindings>
        <client>
            <endpoint
                address=”net.tcp://localhost:4502/srv”
                binding=”customBinding”
                bindingConfiguration=”NetTcpBinding_IContrato”
                contract=”Servico.IContrato”
                name=”NetTcpBinding_IContrato” />
        </client>
    </system.serviceModel>
</configuration>

Ao contrário de outros tipos de comunicação e de aplicações, não basta simplesmente termos o cliente e o serviço funcionando para que eles possam se comunicar. Mesmo através de TCP, este protocolo também está condicionado às políticas de cross-domain.

Para comunicação HTTP, tudo o que precisamos é definir um arquivo XML na aplicação, que permite o acesso. Para suportar a comunicação através de TCP, o Silverlight resolve a questão da restrição de cross-domain de uma forma mais rebuscada. A Microsoft criou uma template de projeto chamada Silverlight TCP Socket Policy, que pode ser acessada a partir das templates Online do Visual Studio 2010 ou através do Visual Studio Gallery, neste endereço.

Essa template dá origem à um projeto do tipo Console, que expõe o arquivo de cross-domain (definido no arquivo SocketPolicy.cs), definindo o intervalo de portas que é permitido que aplicações Silverlight utilizem. Ao rodar as aplicações, certifique-se também de que este projeto esteja rodando, caso contrário, você receberá uma exceção do tipo CommunicationException, informando que você não tem permissões para efetuar o acesso ao serviço, sugerindo que talvez esteja faltando o arquivo de cross-domain.

Conclusão: Apesar de ainda estar em sua versão Beta, o Silverlight 4.0 traz uma série de melhorias e novas funcionalidades, que facilitará cada vez mais a criação de aplicações LOB, e com certeza, uma das principais limitações até então, era o consumo de serviços WCF através do protocolo TCP, que é fator determinante em aplicações deste tipo.

Anúncios

2 comentários sobre “Serviços TCP no Silverlight

  1. Boa tarde! Estava procurando informações sobre Silverlight e ISA Server na net e achei sua página. Estou com um problema na minha rede: Tenho um site interno que mostra numeros em tempo real da minha produção, que é feito no Silverlight, mas não mostra quando o ISA está ativo. Já criei até uma regra onde libera todo acesso pra rede interna e não funciona. Liberei as portas que você enumerou no seu artigo e nada. Você conhece alguma maneira do Silverlight funcionar na minha rede interna com ISA Server?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s