O Framework possibilita, a Linguagem facilita


Desde a primeira versão do .NET Framework, várias funcionalidades foram construídas e as linguagens (aqui C# e VB.nET) facilitam o acesso as mesmas, tornando a vida do desenvolvedor muito mais simples. Para mostrar um exemplo simples, podemos perceber que grande parte de nós não utiliza o tipo Int32 para declarar um inteiro. Optamos pela keyword int. Grande parte de nós não utiliza o tipo Boolean para declarar um valor boleano. Optamos pela keyword bool.

Já no .NET Framework 2.0, a Microsoft introduziu no C# os iteradores, que evita a escrita explícita de classes que implementam as interfaces IEnumerable<T> e IEnumerator<T>. Tudo o que ela fez foi criar uma keyword chamada yield, que elimina toda essa necessidade, abstraindo a “complexidade” que esta implementação possui.

Para ter um exemplo mais recente, podemos avaliar as expressões lambdas. Elas nada mais são do que uma forma muito mais simples de se escrever (não de entender) delegates. Salvo a sintaxe de cada linguagem, a Microsoft está tornando tarefas complexas de serem realizadas em um modo bem mais simples de se fazer, ou seja, com novas essas keywords e um jeito diferente de se escrever o mesmo código, grande parte do trabalho complexo agora fica sob responsabilidade do compilador, que avalia e gera a saída necessária para tudo isso funcionar.

Entre as tarefas mais complexas que existem dentro do .NET Framework hoje, é a programação assíncrona. Ela não é nada trivial, pois exige um conhecimento razoável de como as coisas funcionam nos bastidores, o uso do par de métodos BeginXXX/EndXXX, das formas de capturar o resultado (callback ou poll), exceções que são disparadas, etc. Devido a essa complexidade toda, a programação assíncrona foi o alvo da Microsoft para tornar essa tarefa bem mais amena.

Apesar de isso já correr há algum tempo nos bastidores, a Microsoft anunciou hoje no PDC, um novo modelo de programação assíncrona, que permite a escrita do código assíncrono de forma tão simples quanto ao código síncrono. A partir de agora, tudo o que precisamos fazer é declarar a função como sendo assíncrona, e isso é feito através de uma nova keyword chamada async. Além disso, a função também poderá retornar um tipo predefinido que é a instância da classe Task<T>, que como o nome já sugere, representa uma tarefa que está sendo executada.

public async Task<decimal> CalcularSalarioAsync(string empregado)
{
    var resultado = await new ServicoDeSalario().CalcularAsync(empregado);

    return resultado;
}

Analisando o código acima, podemos perceber que também surgiu uma nova keyword: await. Apesar de parecer que ela irá bloquear a thread até que seja finalizado, não é isso o que acontece. Na verdade, quando o compilador encontrar essa keyword, o que ele fará é determinar que o que virá dali para baixo, até o final do método, será o callback que deverá ser disparado quando o processo assíncrono for finalizado.

A finalidade de facilitar isso, é fazer com que a programação assíncrona dentro do .NET Framework seja tão simples quanto a programação síncrona e, consequentemente, tornar as aplicações mais interativas quando falamos daquelas que exigem muitas interações de UI, ou tornando mais simples quando precisamos escrever alguma funcionalidade de forma assíncrona do lado do servidor, como é o caso de páginas/controllers assíncronos do ASP.NET e serviços em geral.

Explorarei mais detalhadamente essa funcionalidade em futuros artigos. Por agora, foi apenas um overview do que está por vir, e também mostrar que algumas complexidades são, aos poucos, absorvidas pelas linguagens. Da mesma forma que as facilidades anteriores que foram criadas dentro das linguagens, esta também será incorporada, mas vale ressaltar que continua sendo importante o seu entendimento interno da mesma forma que é importante conhecer delegates, caso contrário, expressões lambdas serão completamente estranhas.

Anúncios

Um comentário sobre “O Framework possibilita, a Linguagem facilita

  1. Olá Israel,

    Gostei bastante dessa nova "feature", vai facilitar bastante o nosso trabalho. Como sempre, a apresentação do Anders Hejlsberg nesse PDC sobre o assunto foi excelente.

    Um abraço.

    Ari

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s