Coletando e analisando arquivos de Dump


Ao instalar uma aplicação em seu local de funcionamento, começa uma nova etapa, que é o monitoramento da mesma, que permite diagnosticar eventuais falhas e tentar trabalhar sempre de uma forma preventiva. Só que muitas vezes, estes problemas podem acontecer durante a execução, problemas estes que podem ser por falta de testes que atendiam aquelas condições, ou ainda, referente à algum problema de infraestrutura.

Se você toma o devido cuidado de catalogar as exceções que estão sendo disparadas, você pode recorrer aos arquivos onde elas estão armazenadas e inspecionar o que aconteceu e, consequentemente, encontrar a região do código responsável por aquele problema, e resolvê-lo, para em seguida, distribuir a correção para ele. Só que para detectar o problema, geralmente precisamos muito mais do que simplesmente o tipo da exceção que foi disparada, mas também quais foram os parâmetros informados, os valores que as variáveis estavam definidas naquele momento, e assim por diante.

Quando estamos em ambiente de desenvolvimento, podemos recorrer ao debugger do Visual Studio para executar a aplicação passo à passo, parando nos pontos que são importantes e naqueles que podem estar ocasionando o problema, e atenciosamente analisar e detectar o problema. Só que se essa aplicação já estiver em funcionamento, isso não é possível, pelo menos não de uma forma simples. Neste caso podemos recorrer a criação de um arquivo de dump da aplicação em questão. Ao gerar este arquivo, ele “fotografa” o estado atual do processo e gera várias informações para que possamos depurá-la mais tarde, algo mais ou menos parecido com o reporte de bugs do Windows.

Esse recurso é algo que podemos utilizar tanto em aplicações cliente como aquelas que rodam em um servidor, como é o caso de aplicações ASP.NET ou de serviços WCF. No caso de aplicações cliente, você pode recorrer ao Doctor Watson do Windows ou indo diretamente através da Task Manager. Como eu quero demonstrar a coleta do dump de um serviço WCF, vamos recorrer à segunda opção. Como sabemos, ao hospedar um serviço WCF no IIS, quem será responsável por executá-lo é um processo, chamado de w3wp.exe, que pode ser configurado através da opção Application Pools. Abaixo temos a imagem que ilustra como extrair o dump do processo do IIS:

Basicamente, este serviço recebe uma requisição e gera uma massa de informações para o respectivo cliente. Depois do arquivo de dump criado (extensão *.dmp), você receberá uma notificação informando onde ele foi salvo. Tudo o que precisamos fazer agora, é abrir o arquivo no Visual Studio 2010. A partir desta versão, o Visual Studio é capaz de interpretar esses arquivos. Ao abrí-lo, você irá se deparar com uma página, que detalha as informações sobre o processo. Podemos visualizar o nome do processo de onde o dump foi extraído, versão do sistema operacional, da CLR, etc. Outro ponto importante são os módulos que foram carregados à este processo, que aqui, por questões de espaço, não estão sendo exibidos todos eles. A imagem abaixo ilustra este resumo:

Como este arquivo contém o estado da aplicação naquele momento, o Visual Studio nos permite analisar o estado das informações (variáveis, parâmetros, etc.) que tínhamos, de uma forma tão simples quanto depurar a aplicação. Só que para isso funcionar, é necessário definirmos os símbolos, que são responsáveis por armazenarem informações para guiar o debugger até o código fonte. A opção “Set symbol paths” nos permite definir o endereço até o arquivo *.pdb, gerado durante o desenvolvimento do serviço.

Depois disso definido, podemos clicar na opção “Debug with Mixed”, e o debugger do Visual Studio entra em ação. Ele lerá as informações contidas no arquivo de dump e irá exibí-las através das ferramentas de depuração que o próprio Visual Studio já nos fornece. A imagem que veremos a seguir já é uma dessas ferramentas: a janela Parallel Stacks. Essa janela é útil para depurarmos aplicações multi-thread, como é o caso de serviços WCF. Como podemos visualizar, temos a stack da execução e dentro dela, a chamada para o método Executar, que faz parte do serviço criado para o teste.

Ao clicar com o botão direito em um dos itens, podemos alternar entre as threads que estavam em execução naquele momento, acessando a operação Executar. Note que entre parênteses há o valor do parâmetro que está sendo passado para a operação. Abaixo temos a imagem que ilustra as três threads que temos em execução:

Finalmente, ao selecionar uma das opções listadas na imagem acima, somos encaminhados para o código correspondente, conseguindo visualizar o estado das informações, simplesmente passando o mouse por cima das mesmas. Além disso, você ainda pode recorrer as janelas de depuração que já existem há algum tempo no Visual Studio, como é caso das janelas de Threads, Modules e Locals, que trazem informações pertinentes aquele código que está sendo depurado no momento. A imagem abaixo exibe o estado das variáveis e parâmetros da operação Executar no momento em que o arquivo de dump foi gerado:

Anúncios

6 comentários sobre “Coletando e analisando arquivos de Dump

  1. Muito bom artigo, mas aqui infelizmente não apareceu a opção Debug with Mixed
    O meu projeto é um Windows Service usando CLR3.5
    Será que é por isso?

  2. Não consegui fazer. Isso. Tentei num ConsoleApplication coloquei um Sleep e criei um Dump no TaskManager 32 bits.

    Abri o dump no Visual Studio 2010 e apontei o symbol paths para o *.pdb da aplicação.

    Cliquei em "Debug with Mixed" e ele abre uma Solution vazia e não faz mais nada. Algum passo que não peguei?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s