Utilizando o DataReader Assincronamente


Na versão 2.0 do .NET Framework, a Microsoft incluiu uma série de novas funcionalidades em sua API de acesso a dados, o ADO.NET. Entre elas, podemos destacar o código genérico, MARS, Bulk-Copy e execução assíncrona de comandos e consultas.

O que tínhamos disponível naquela época é a implementação através do modelo assíncrono do .NET, que era implementado utilizando um par de métodos BeginXXX/EndXXX. Sendo assim, o método ExecuteReader passou a ter os métodos BeginExecuteReader e EndExecuteReader, enquanto o método ExecuteNonQuery, ganhou os métodos BeginExecuteNonQuery e EndExecuteNonQuery.

Da mesma forma, para ficar alinhado a nova forma de se trabalhar assincronamente nas linguagens, a execução assíncrona de comandos e consultas no ADO.NET 4.5 sofreu algumas mudanças, para seguir o modelo baseado em Tasks. Além das mudanças em nível das interfaces das classes, um detalhe importante é que não é mais necessário definir o flag Asynchronous Processing para True no arquivo de configuração, algo que sempre era descoberto somente depois que a aplicação estava em execução.

Para iniciar, a classe que representa a conexão (SqlConnection/DbConnection) fornecem a versão assíncrona do método Open, que é o OpenAsync. Este método retorna uma Task, o que a torna “aguardável”, e com isso, podemos utilizar a keyword await para que a abertura possa ser realizada de forma assíncrona. Abaixo o código ilustra o uso deste método:

private async static Task Executar()
{
    using (var conn = new SqlConnection(“…”))
    {
        await conn.OpenAsync();

        //…
    }
}

Como já era de se esperar, os mesmos métodos fornecidos na versão 2.0 do ADO.NET para processamento assíncrono, ganharam na versão baseada em Tasks na versão 4.5. No caso do ExecuteReader, temos o ExecuteReaderAsync. Já para o método ExecuteNonQuery, temos o ExecuteNonQueryAsync e, finalmente, para o ExecuteScalar, existe o ExecuteScalarAsync.

Todos estes métodos tratam-se da nova versão assíncrona, que basicamente retornam um objeto do tipo Task, que representa a tarefa que está sendo executada assincronamente. E, qualquer exceção que eventualmente ocorra dentro do processo assíncrono, ela será retornada/acessada através da Task que foi retornada pelo método. Abaixo temos um exemplo de como ler os dados através de DataReader, utilizando este novo modelo assíncrono:

private async static Task Executar()
{
    using (var conn = new SqlConnection(“…”))
    {
        await conn.OpenAsync();

        using (var cmd = new SqlCommand(“SELECT * FROM Cliente”, conn))
            using (var dr = await cmd.ExecuteReaderAsync())
                while (await dr.ReadAsync())
                    if (!await dr.IsDBNullAsync(1))
                        Console.WriteLine(dr.GetString(1));
    }
}

Acima utilizamos o método ExecuteReaderAsync, mas ao percorrer o result-set retornado, utilizamos o – também novo – método ReaderAsync, que é a versão assíncrona, também baseada em Task,  do método Read do DataReader. Esse método em conjunto os métodos NextResultAsync, IsDBNullAsync e GetFieldValueAsync<T>, fornecem um controle muito mais refinado aos dados que estão sendo extraídos, pois quando olhamos um pouco mais de perto os internals de cada um deles, percebemos que a versão síncrona pode custar caro, prejudicando assim a escalabilidade.

Além disso, todos os métodos que vimos até aqui, possuem um segundo overload que suporta o cancelamento da tarefa custosa que está sendo executada. Para controlar o cancelamento, eles fazem uso da estrutura CancellationToken, e que podemos criar e informar ao invocar o método. Com uma pequena mudança na assinatura do método de exemplo que criamos acima (Executar), ele passará a receber o token que controla e propaga a notificação de cancelamento. Uma vez que o mesmo é repassado às tarefas que são executadas internamente, periodicamente o token é consultado para ver se o cancelamento foi ou não solicitado. A mudança é ligeira:

private async static Task Executar(CancellationToken ct)
{
    using (var conn = new SqlConnection(“…”))
    {
        await conn.OpenAsync(ct);

        using (var cmd = new SqlCommand(“SELECT * FROM Cliente”, conn))
            using (var dr = await cmd.ExecuteReaderAsync(ct))
                while (await dr.ReadAsync(ct))
                    if (!await dr.IsDBNullAsync(1, ct))
                        Console.WriteLine(dr.GetString(1));
    }
}

Como percebemos, para preparar o método para permitir o cancelamento, é receber no parâmetro um CancellationToken, e propagá-lo para os métodos internos. Abaixo, estamos consumindo o método Executar que criamos, só que agora estamos passando um token que que será cancelado em dois segundos. Se depois deste tempo o método não concluir, uma exceção será disparada, informando que a tarefa foi cancelada.

var cts = new CancellationTokenSource();

try
{
    cts.CancelAfter(TimeSpan.FromSeconds(2));
    Executar(cts.Token).Wait();
}
catch (Exception ex)
{
    //trata exceção
}

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s