Segregando Requisições no ASP.NET

No ASP.NET Core temos o conceito de middlewares, que nada mais são que plugins que podemos acoplar à execução para que eles sejam executados a medida em que uma nova requisição chega para o serviço ou para o site. Além de vários que já foram criados pela Microsoft, a criação destes middlewares é extremamente simples, e é a principal forma que temos de interceptar o momento antes e/ou depois das requisições.

Durante a inicialização da aplicação, devemos realizar as configurações necessárias para que ela funcione, e é neste momento que montamos o pipeline por onde cada uma delas deverá passar, e isso quer dizer que faremos uso constante de middlewares, mesmo que não se esteja explicitamente claro no código que vamos escrever. A execução ocorre de forma linear, onde a requisição é entregue para o primeiro middleware e este é responsável por fazer alguma atividade e passar adiante a requisição (leia-se para o middleware interno). Abaixo temos um exemplo de um simples middleware; note que temos algumas convenções que precisam ser respeitadas, tais como: receber no construtor o próximo middleware, ter o método chamado Invoke que será disparado pelo ASP.NET no momento adequado. É dentro deste método que você define quando quer invocar o próximo middleware.

public class LoggingMiddleware
{
    private readonly RequestDelegate next;

    public LoggingMiddleware(RequestDelegate next)
    {
        this.next = next;
    }

    public async Task Invoke(HttpContext context)
    {
        //Ação Antes
        await next(context);
        //Ação Depois
    }
}

O problema aqui é que podemos hospedar na mesma aplicação dois conteúdos que demandam diferentes rotinas e características. É comum encontrarmos aplicações que expõe uma API web, e na mesma aplicação, fornece o acesso à um pequeno site com a documentação, tutoriais, central de suporte para a mesma. Do lado da API, é comum termos log de acesso, telemetria, controle de transações, etc., enquanto do “lado do UI” da aplicação, necessitamos de outros recursos, como a exposição de conteúdos estáticos e geração de HTML.

O ASP.NET possibilita uma forma de segregar as requisições (branch), roteando cada uma delas de acordo com um critério e, que se atendido, podemos customizar um pipeline de middlewares exclusivo para aquele cenário. Isso evita ter um único pipeline com todos os passos e ter que dar by-pass de acordo com a requisição que estamos processando naquele momento exige. Para isso, podemos recorrer ao método Map da interface IApplicationBuilder. Em sua versão mais simplista, ele aceita uma string que permite especificarmos a URL que, se atendida, deverá ser executada utilizando a configuração que especificamos no segundo parâmetro deste mesmo método. Há uma variação deste método chamado MapWhen, que nos permite inspecionar outros itens da requisição (headers, por exemplo) para tomar a decisão se deve ou não ser processada por aquele pipeline.

No exemplo abaixo, se a requisição conter /commands na URL, então o middleware de logging será disparado, na sequência o de transações, e por fim, a ação do controller será executada. Já quando a requisição for para /help, estamos permitindo o acesso à arquivos estáticos (imagens, PDFs, etc.) e também o uso do MVC para renderizar HTML com o conteúdo da documentação da API:

public void Configure(IApplicationBuilder app)
{
    app.Map("/commands",
        config =>
            config
                .UseMiddleware<LoggingMiddleware>()
                .UseMiddleware<TransactionMiddleware>()
                .UseMvc());

    app.Map("/help", 
        config => 
            config
                .UseMvc()
                .UseStaticFiles());
}

Se desejar ter acesso ao código completo deste artigo, consulte este endereço.

Anúncios